Quinoform

Bula do remédio Quinoform. Classe terapêutica dos Antibióticos Sistêmicos. Princípios Ativos Norfloxacino.


Para quê serve Quinoform?

Tratamento de infecções do trato urinário que sejam causados por microorganismos sensíveis à norfloxacina. Tratamento de: infecções do trato urinário altas ou baixas, complicadas ou não, agudas ou crônicas. Estas infecções incluem cistite, pielite, cistopielite, pielonefrite, prostatite crônica, epididimite e aquelas associadas com cirurgia urológica, bexiga neurogênica ou nefrolitíase, causadas por bactérias suscetíveis ao Quinoform (norfloxacina). Gastrenterites agudas bacterianas causadas por germes sensíveis; uretrite, faringite, proctite e cervicite gonocócicas causadas por cepas de Neisseria gonorrhoeae produtoras ou não de penicilinase; febre tifóide. Profilaxia de: sepse em pacientes com neutropenia intensa: Quinoform suprime a flora aeróbia endógena do intestino, que pode causar sepse em pacientes com neutropenia (por exemplo, em paciente com leucemia que recebem quimioterapia). Gastrenterite bacteriana: neutropenia intensa foi definida em estudos clínicos, com contagem de neutrófilos

Quando não devo usar este medicamento?

Pacientes que apresentam hipersensibilidade conhecida ao medicamento ou a qualquer antibacteriano quinolínico quimicamente relacionado.


Como usar Quinoform?

Deve ser testada a sensibilidade do organismo causador da infecção contra a atuação de Quinoform, porém a terapia pode ser iniciada antes de ser obtido o resultado desses testes. Infecção do trato urinário: 400 mg, 12/12 horas, durante 7 – 10 dias. Cistite aguda não complicada: 400 mg, 12/12 horas, durante 3 – 7 dias. Infecções do trato urinário crônica recidivante*: 400 mg, 12/12 horas, até 12 semanas**. Obs.: (*se for obtida a supressão adequada dentro de semanas de tratamento, a dose de Quinoform pode ser reduzida para 400 mg ao dia. **Para os casos de prostatite crônica, o tratamento por quatro semanas tem-se apresentado bastante efetivo). Gastroenterite bacteriana aguda: 400 mg, 12/12 horas, durante 5 dias. Uretrite, faringite, proctite, cervicite gonocócica agudas: 800 mg, dose única. Febre tifóide: 400 mg, 8/8 horas, durante 14 dias. Profilaxia: sepse com neutropenia intensa: 400 mg, 8/8 horas, durante a duração da neutropenia (até o momento não se tem dados disponíveis para recomendar o tratamento alem de 8 semanas). Gastroenterite bacteriana: 400 mg/dia, de 24 horas antes até 48 horas depois do contato com áreas endêmicas. Pacientes com insuficiência renal: Quinoform é adequada para o tratamento de pacientes com insuficiência renal. Nos pacientes com filtração glomerular inferior a 30 ml por minuto por 1,73 m2, mas que faziam hemodiálise, a meia-vida plasmática média foi de 8 horas. Estudos clínicos descritos não mostraram diferenças na vida média em pacientes com depuração inferior a 10 ml/kg/1,73 m2, em comparação com aqueles com depuração entre 10 e 30 ml/kg/1,73 m2, portanto, nesses casos, a dose recomendada é de 1 comprimido de 400 mg uma vez ao dia. Nessa posologia, as concentrações nos fluidos e tecidos envolvidos excedem a CIM da maioria dos patógenos urinários sensíveis à norfloxacina. Não são conhecidos dados suficientes para recomendar uma posologia para o tratamento da gonorréia em pacientes com depuração de creatinina de 30 ml/min/1,73 m2, ou menos. – Superdosagem: não há experiência com a superdosagem, portanto, os sinais, sintomas e o tratamento não foram identificados. Em caso de superdosagem aguda, deve-se esvaziar o estômago por vômito ou lavagem gástrica. Observar cuidadosamente e promover tratamento sintomático de apoio. Deve-se manter hidratação adequada.


Quais os males que este medicamento pode me causar?

As reações adversas conhecidas são infreqüentes e leves. Os efeitos colaterais mais comuns foram gastrintestinais, neuropsíquicos e reações cutâneas, incluindo náuseas, cefaléia, tontura erupção cutânea, pirose, cólicas ou dor abdominal e diarréia. Em raros casos foram relatados outros efeitos colaterais, tais como, anorexia, distúrbios do sono, depressão, ansiedade, nervosismo, irritabilidade, euforia, desorientação, alucinações, zumbido, epífora. Efeitos colaterais, laboratoriais anormais foram raramente observados durante os ensaios clínicos descritos, entretanto, os seguintes tiveram maior incidência: leucopenia, eosinofilia, neutropenia, trombocitopenia e elevação de ALT (TGP) e AST (TGO). Os seguintes efeitos colaterais adicionais são conhecidos desde a comercialização da droga. Também foram relatadas cefaléia, tonturas e reações cutâneas. Valores laboratoriais anormais raramente observados em investigações clínicas compreendem: leucocitopenia, eosinofilia e elevação de TGO, TGP, fosfatase alcalina, bilirrubina, nitrogênio uréico do sangue e creatinina. Reações de hipersensibilidade: foram relatadas as reações de hipersensibilidade, incluindo angioedema e urticária. Pele: fotossensibilidade. Gastrintestinais: colite pseudomembranosa.


O que devo saber antes de usar este medicamento?

Assim como outros ácidos orgânicos, Quinoform deve ser usado com cautela em indivíduos com história de convulsões ou de outros fatores que predispõem a convulsões. Raramente têm sido relatadas convulsões em pacientes tratados com norfloxacina, contudo, ainda não foi estabelecida uma relação causal com Quinoform. Têm sido observadas reações de fotossensibilidade em pacientes excessivamente expostos à luz do sol enquanto recebem alguns membros desta classe de drogas. Deve-se evitar luz excessiva e descontinuar a terapia se ocorrer fotossensibilidade. – Restrições: Quinoform não deve ser administrado em crianças na fase de pré-puberdade. Como ocorre com os ácidos orgânicos Quinoform é excretado no leite materno e atravessa a barreira placentária devendo ser administrado em gestantes e lactantes somente mediante à confrontação dos parâmetros de risco e benefício. Quinoform deve ser cautelosamente administrado a pacientes com história de convulsões. – Interações medicamentosas: a co-administração de probenecida não afeta as concentrações séricas de Quinoform, entretanto a excreção urinária da droga diminui. Assim como para outros ácidos orgânicos antimicrobianos, foi demonstrado antagonismo in vitro, entre Quinoform e nitrofurantoína. Foram relatados níveis plasmáticos elevados de teofilina aumentados durante o uso concomitante de quinolonas. Têm ocorrido raros relatos de efeitos colaterais relacionados com a teofilina em terapia simultânea com norfloxacina, portanto, a monitorização dos níveis plasmáticos de teofilina deve ser considerada e a posologia ajustada, se necessário. Foram relatados níveis elevados de ciclosporina com o uso concomitante de norfloxacina, portanto, os níveis séricos de ciclosporina devem ser monitorizados e os ajustes posológicos apropriados realizados, se estas drogas forem usadas simultaneamente. Quiminolonas incluindo norfloxacina podem potencializar os efeitos do anticoagulante oral warfarina e seus derivados. Quando estes produtos são administrados concomitantemente, o tempo de protrombina ou outros testes adequados de coagulação devem ser monitorizados bem perto. Multivitaminas, produtos contendo ferro ou zinco, antiácido ou sucralfatos não devem ser administrados nem ao mesmo tempo nem em um intervalo de 2 horas da administração da norfloxacina, pois podem interferir com a absorção, resultando em níveis mais baixos de norfloxacina no soro e na urina. Algumas quinolonas, incluindo a norfloxacina, apresentam interferência com o metabolismo da cafeína. Esta condição pode levar a uma redução do clearance da cafeína e a um prolongamento do seu tempo de meia-vida plasmática. Dados em animais mostram que as quinolonas em combinação com fembufeno podem levar a convulsões. Desta forma a administração concomitante de quinolonas e fembufeno deve ser evitada.


Composição

Cada comprimido contém: norfloxacina 400 mg;excipiente q.s.p. 1 comprimido.


Apresentação

Caixa com 14 comprimidos de 40 mg.


Laboratório

Indústria Brasileira

Next post:

Previous post: